Robert Kurz

A inflação do dólar

Silenciosa e incessantemente o défice da balança comercial e de capital dos EUA está a crescer, e tem atingido um tamanho astronómico. A gente entretanto se tem habituado a isso. O mundo inteiro investe nos EUA o seu capital excedente, que pelas hipercapacidades globais já não se pode reinvestir de forma rentável, e ali compra acções e títulos de dívida pública. Com as incomparáveis dívidas monetárias ao exterior, os EUA compram as mercadorias excedentes do mesmo mundo, para as quais de outra maneira já não haveria comprador, por falta de poder de compra, em virtude da racionalização e do desemprego e pobreza em grande escala. A crise económica mundial amadurecida é assim atenuada e constantemente adiada. Quase parece que o capitalismo global inventou o perpetuum mobile económico, graças à capacidade de absorção da última super-potência.

Segundo os manuais, as vias de sentido único das exportações para os EUA constituem uma impossibilidade. Uma economia nacional não pode estar a importar durante muito tempo de tal forma mais do que exporta. Se os EUA não voltam a estabelecer eles próprios o equilíbrio, através de exportações intensificadas para a Ásia, a Europa etc., os imensos desequilíbrios haverão de levar mais cedo ou mais tarde a uma contracção económica violenta. Esqueçam os manuais, afirma já há alguns anos o economista americano Paul Krugman, porque os Estados não concorreriam entre eles como o fazem as empresas. Sob as condições da globalização seria ingénuo continuar a supor que o cálculo de sucesso de uma economia nacional seria a sua balança comercial. As importações e as exportações, diz Krugman, realizam-se agora num plano de economia empresarial. E foram justamente empresas dos EUA que mudaram grandes partes das suas capacidades de produção, pelos salários baixos e outros factores de custos, para a China, que entretanto funciona como placa giratória nas suas redes de produção globais. O que parece uma exportação da China para os EUA, é na realidade o fornecimento de clientes americanos por companhias americanas associadas. Por isso não faz mal nenhum se nos EUA já não se produzem mais laptops, diz Krugman confiadamente.

Infelizmente escapa ao economista americano um erro de principiante. É verdade que tem razão tocante ao fluxo material de mercadorias, trata-se aí na importação da China de certo modo de um assunto interno dos EUA. Mas ao capital não interessa a produção material de bens, servindo esta unicamente para a acumulação de capital monetário. O dinheiro, que é a finalidade de tudo isto, pode globalizar-se tão pouco como os Estados. Não há nenhum dinheiro mundial imediato, como não há nenhum Estado mundial imediato. Ante de mais, o dinheiro existe apenas na forma do valor da moeda. Também o dinheiro mundial provisório, o dólar, continua a ser ao mesmo tempo moeda nacional. Neste plano, o astronómico défice externo dos EUA regista-se bem negativamente nos livros – fica o direito de um território monetário sobre outro.

O que é que inevitavelmente há-de acontecer? Imaginemos o pretenso perpetuum mobile entre os EUA e o resto do mundo traduzido para uma economia interna. O poder de compra, que de forma real não existe, é simulado através de endividamento. Se também não houver poupanças dignas de menção (como é o caso dos EUA), resta apenas a possibilidade de o Estado, com ajuda do seu banco emissor, imprimir dinheiro e o distribuir entre as pessoas, para que estas possam comprar. Como se sabe, o resultado não é uma "conjuntura eterna", mas sim a inflação galopante, ou seja, a ruína do próprio dinheiro.

Em princípio o fluxo contínuo de capital monetário estrangeiro para os EUA não será nada mais do que isto. O dinheiro, que aflui em moedas estrangeiras, tem de ser trocado por dólares, antes da compra de acções e títulos de dívida pública, aumentando portanto permanentemente o volume de dólares. Por agora, isto não aparece como inflação nos EUA, por se tratar de posições de credores estrangeiros. O mecanismo inflacionário está por isso por enquanto filtrado pelos limites dos territórios monetários. Mas agora voltemos ao manual: Défices da balança comercial e de capital permanentes de uma economia nacional (tal como de um território monetário), se não forem equilibrados, têm de levar, após um certo prazo de incubação, a uma correspondente desvalorização do valor externo da respectiva moeda. O poder de compra interno de uma moeda porém não está independente do valor externo. Se a desvalorização deste for suficientemente drástica, a consequência será uma inflação dramática também ao nível de economia interna.

Não se vê como poderiam os EUA a prazo furtar-se a esta norma. É verdade que eles admitem conscientemente de poucos em poucos anos (como é o caso agora) uma determinada perda no valor externo do dólar, porque desta forma os próprios credores estrangeiros no fundo têm de pagar rangendo os dentes uma parte das dívidas dos EUA, pela desvalorização dos seus activos em dólares. Isto obviamente só é possível, enquanto estamos a lidar com uma oscilação relativamente moderada e controlada. Porém, quanto mais elevadamente os défices externos dos EUA se acumulam, tanto mais provável será a interrupção do afluxo do capital monetário e a queda incontrolável do valor externo do dólar.

A então inevitável inflação do dólar no entanto não vai pôr de joelhos apenas a economia interna dos EUA, mas também paralisar a máquina de exportações do resto do mundo. Então terá acabado a magnificência do pretenso perpetuum mobile.

Original alemão Inflation des Dollar em www.exit-online.org. Publicado em Neues Deutschland , 21.11.2003. Tradução de Nikola Grabski

http://obeco.planetaclix.pt/

http://www.exit-online.org/